Melhores amigos: por que o amor que temos por nossos cães é tão especial?

16 de maio de 2020

Emily Harding and Peter Beaumont with their new puppy Bodhi.

Por

No início do bloqueio do coronavírus, fomos confrontados com uma decisão dolorosa. Nosso West Highland terrier, Ziggy, que viajara pelo mundo conosco, estava declinando rapidamente.

Ele superou as probabilidades três vezes após a descoberta de uma massa na bexiga que foi finalmente confirmada como câncer. Mas, no espaço de alguns meses, ela deixou de nos acompanhar em 10 km de corrida para lutar para andar, incapaz de fazer xixi e cocô facilmente, sua qualidade de vida foi declinando rapidamente.
Decidimos que queríamos estar com ela quando ela fosse eutanasiada – a coisa mais sensata a ser feita segundo o nosso veterinário -, mas em março esse serviço estava dificultado.

A melhor opção que encontramos foi a realização do procedimento em uma parte tranquila do estacionamento de um veterinário em Epping Forest. Pareceu sombrio imaginar a cena.

Mas no final foi dolorosamente emocionante, seus últimos momentos passados ​​se aninhando entre nós enquanto nos sentávamos no chão, o queixo apoiado no meu colo.

Talvez seja por isso que, na semana passada, a resposta do jardineiro de televisão Monty Don a respeito da perda de seu próprio cão, Nigel, tenha causado um estalo de empatia:

“O que ele tinha”, disse Don, era esse senso absoluto de pureza. Ele exalava uma inocência imaculada. Todos nós amamos nossos cães, e eu tive muitos cães mas Nigel era especial; é muito difícil definir exatamente como e porque. ”

Em meio à tristeza, hoje em dia também há um sentimento de culpa. Uma sensação de que, por mais real que seja, é errado sentir tanto pesar por um cão em um momento em que tantos seres humanos estão perdendo amigos e familiares.

Esta história de ter cachorros chegou tarde para mim. Eu quase nem lembro do nosso nossa Bull terrier, Fanny,  um cão de palco que meu pai adotou enquanto trabalhava no teatro, depois que ela foi demitida por morder membros do elenco de Oliver!

Ziggy chegou em minha vida quando eu já estava nos 40 e tornou-se um elemento muito presente em nossas vidas, nos acompanhando em todos os lugares, inclusive em Jerusalém onde fui correspondente do Guardian and Observer por quatro anos como.

Agora ele se foi. E de repente estávamos sem cachorro.

Cientistas e psicólogos ainda estão tentando entender a estranha e milenar relação entre cães e humanos.

Do lado dos animais, a imagem é razoavelmente clara: o lobo cinzento, de onde todas as raças de cães domesticados descendem, já possuía um cérebro social altamente evoluído, sofisticado e social.

E, quando os cães foram domesticados, esse cérebro parece ter adquirido uma sensibilidade em relação ao olhar humano e à linguagem corporal que permitiam o treinamento. Mas, além da função utilitária em desenvolvimento dos cães, o desejo humano de fazer dos caninos seus animais de estimação levou a explicações concorrentes.

Como sugeriram Marta Borgi e Francesca Cirulli, do departamento de neurociência comportamental do Istituto Superiore di Sanità, em Roma, em um artigo da Frontiers in Psychology: “Por que os animais constituem um estímulo tão atraente para os seres humanos não foi completamente esclarecido.

“Os seres vivos atraem a atenção das pessoas mais do que os objetos, e foi levantada a hipótese de que a razão evolutiva por trás dessa resposta é que prestar atenção a outros seres vivos é significativo para o sucesso de um individuo na natureza”.

Outras teorias foram propostas. Sugere-se que sentimos uma atração maior por espécies que estão mais próximas de nós na árvore genealógica genética ou que são semelhantes de maneiras comportamentais ou cognitivas.

Depois, há a noção de Kindchenschema ou “esquema do bebê”, que sugere que os seres humanos são atraídos especificamente por animais que exibem características “fofas” ou infantis com uma cabeça grande e olhos óbvios.

No entanto estudos recentes de ressonância magnética sobre padrões de ativação cerebral em mulheres a visualização de imagens faciais de seu próprio filho e cão desencadeou respostas diferentes.

E enquanto muitos dos especialistas no campo procuraram evitar o uso da palavra “amizade” em resposta às relações homem-animal, Borgi e Cirulli a adotam:

“Em nossa opinião, ‘amizade’ parece ser a palavra mais adequada para descrever relacionamentos íntimos entre humanos e animais de estimação, o que implica a formação de um vínculo social que serve funções emocionais e adaptativas análogas às amizades humano-humano”, escrevem eles.

“A maioria das propriedades que um relacionamento deve ter para se caracterizar como amizade é rastreável na associação humano-animal de estimação: intimidade, companheirismo, confiança, lealdade, comprometimento, afeto, aceitação, simpatia, preocupação com o bem-estar do outro e com o tempo gasto em conjunto e manutenção do vínculo do par após longas separações. ”

Talvez, como escreveu a poeta Mary Oliver, vencedora do Pulitzer, em Dog Talk, o ensaio final da coleção Dog Songs, parte do vinculo esteja relacionado à maneira pela qual os cães ocupam um espaço intermediário entre os mundos selvagem e doméstico.

“Algumas coisas são imensamente selvagens, outras são domadas… Há coisas selvagens que foram alteradas, mas apenas em uma aparência de mansidão, não é uma mudança real. Mas o cachorro vive nos dois mundos.

Mas é o comentário de Don sobre “inocência imaculada” que mais me ressoa. Após a morte de Ziggy, um amigo sugeriu que o que vemos em nossos cães são “santos peludos”. E em um momento de tanta incerteza, quando nossos laços sociais se rompem, talvez seja isso que as pessoas estejam buscando.

Na semana passada, um novo cachorro chegou em nossas vidas. Atento à descrição do “santo peludo” que chamamos de Bodhi, que significa “despertado”, embora em que mundo dos cães nunca saberemos. É sempre um contrato emocional, firmado, como Oliver diz, no conhecimento do breve tempo de nossos cães na terra.
“É extremamente curta, sua vida galopante. Os cães morrem tão cedo … Faríamos qualquer coisa para mantê-los conosco e mantê-los jovens. O único presente que não podemos dar.

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami