Espanha monitorará variantes do coronavírus SARS-CoV-2 em animais

30 de janeiro de 2021

O Instituto Carlos III de Saúde anunciou a adoção de um protocolo de integração do Sequenciamento Genômico à Vigilância SARS-CoV-2, destacando a importância da identificação de novas variantes em animais

 

O Resumo dos Alertas e Planos de Preparação e Resposta, sob a Comissão de Saúde Pública do Conselho Interterritorial do Sistema Único de Saúde, aprovou um protocolo para integrar Sequenciamento Genômico na Vigilância SARS-CoV-2.

O documento, elaborado pelo Ministério da Saúde Com a participação do Instituto Carlos III de Saúde(ISCIII),orienta o trabalho para determinar a incidência de variantes genéticas do vírus, bem como identificar novas variantes, que possam ser de interesse da saúde pública.

Como explicado pelo ISCIII, o aparecimento de variantes genéticas é normal em um vírus. A maioria não fornece uma vantagem seletiva ou envolve alterações que alteram seu comportamento ou padrão de infecção, mas pode haver casos em que algumas variantes aumentam sua transmissibilidade ou virulência,ou permitem que o vírus escape da ação de anticorpos neutralizantes gerados após uma infecção natural ou administração de uma vacina. Por isso, a adição de sequenciamento genômico à vigilância epidemiológica do vírus é importante para o controle pandêmico.

O documento determina um procedimento de identificação e monitoramento de variantes circulantes na Espanha, e uma metodologia para que as informações sejam integradas ao Sistema de Vigilância Epidemiológica na Espanha(SiViEs),que gerencia o Centro Nacional de Epidemiologia do ISCIII em conjunto com o Ministério da Saúde e comunidades autônomas como parte da Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica(RENAVE).

Nesse sentido, o documento explica que algumas mutações ou combinações de mutações podem proporcionar ao vírus uma vantagem seletiva,como maior transmissibilidade através de um aumento na ligação do receptor.

Da mesma forma, há preocupação com o aparecimento de uma variante que escapa ao efeito de neutralizar anticorpos gerados após uma infecção anterior ou após a vacinação, o que poderia condicionar casos de reinfecção ou perda de eficácia vacinal.

Assim, também detalha algumas variantes do SARS-CoV-2 e destaca o caso das fazendas dinamarca mink,na qual foi detectada uma cepa com mutações na proteína S que “fez temores pela disseminação teórica de variantes com maior capacidade de transmissão ou virulência ou um menor efeito de neutralizar anticorpos contra cepas que já haviam circulado; embora, em última análise, nenhum desses fatos poderia ser provado.

NOVAS VARIANTES DE SARS-COV-2 EM ANIMAIS

Nesse sentido, os autores do documento alertam que “a introdução do vírus em novas espécies animais poderia acelerar sua evolução, o que poderia ter um impacto potencial nas estratégias de vigilância e controle”.

Além disso, além de sequenciar o SARS-CoV-2 em um número representativo de casos, o documento considera importante detectar novas variantes precoces de interesse em saúde pública que já são conhecidas ou novas que possam aparecer.

O sequenciamento deve, portanto, ser indicado e integrado às informações dos SiViEs sobre a suspeita de reinfecção; infecção com vínculos epidemiológicos (14 dias antes) a locais ou áreas onde novas variantes de interesse em saúde pública foram detectadas ou provavelmente detectadas; suspeita de infecção com variantes que escapam da imunidade e situações em que se suspeitam de alta transmissibilidade ou virulência.

Nesse sentido, novas variantes de interesse público em saúde também incluirão amostras relacionadas a surtos de animais e, além disso, o documento inclui um guia para a coleta, expedição e manuseio de amostras.

Fonte: Sanidad vigilará las variantes de coronavirus SARS-CoV-2 en animales (animalshealth.es)

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd