Dietas e suplementos dietéticos para ansiedade em cães

3 de dezembro de 2020
Jessey Scheip LVT, VTS (Behavior), KPA-CTP
Tradução: Paola Lazaretti

Os tratamentos dietéticos para ansiedade em cães podem variar de dietas a probióticos e suplementos.

VOCÊ PRECISA SE ACALMAR!

As terapias para a ansiedade podem variar de dietas a probióticos e suplementos. Várias opções estão disponíveis para ajudar cada paciente a obter a melhor qualidade de vida possível. KlavdiyaV / shutterstock.com

Nos últimos 100 anos, nossa percepção das necessidades emocionais dos cães mudou significativamente. Muitas de nossas raças modernas foram originalmente desenvolvidas como cães de trabalho. Eles trabalharam ao lado de suas contrapartes humanas no campo, no celeiro ou na fábrica; e no final do dia, os cães comiam o que encontrassem. Freqüentemente, eles subsistiam de restos ou sobras; as pessoas pouco pensavam em alimentar uma dieta balanceada ou realmente atender às necessidades nutricionais dos cães, concentrando-se apenas nas necessidades calóricas.

Os pensamentos sobre nutrição para cães começaram a mudar na década de 1860, quando James Spratt, um empresário americano, lançou o primeiro item alimentar comercial específico para cães: o Meat Fibrine Dog Cake, um tipo de biscoito.1 Nos 150 anos seguintes, a nutrição animal continuou a evoluir. As empresas começaram a produzir dietas para atender às necessidades nutricionais de cães saudáveis ​​em várias fases da vida: crescimento, manutenção e velhice. Em seguida, os alimentos para cães foram especialmente formulados para atender às necessidades nutricionais de doenças.

O manejo nutricional não está mais limitado a diabetes mellitus ou insuficiência renal; agora também aborda distúrbios emocionais, como ansiedade. Uma variedade de compostos nutricionais e suplementos que ajudam a melhorar a estabilidade emocional em animais de companhia foram identificados. Além disso, junto com o componente nutricional, movimentos como Fear Free (fearfreepets.com) e Low Stress Handling (lowstresshandling.com) trouxeram os efeitos do estresse na saúde física para o primeiro plano dos cuidados veterinários.

DETECÇÃO DE ESTRESSE EM CÃES

O veterinário deve ser capaz de reconhecer os comportamentos dos pacientes associados ao estresse e ansiedade, bem como ao bem-estar emocional (TABELA 1). A maneira mais fácil de determinar as várias manifestações de estresse é considerar a aparência de um cachorro feliz. Os cães que experimentam pouco ou nenhum estresse são de leve a moderadamente sociáveis ​​com humanos e outros cães. Seus corpos estão soltos e relaxados. Se a cauda estiver abanando, está a uma velocidade moderada e é mantida aproximadamente no nível médio, alinhada com a espinha.2 Esses cães abordarão a novidade com curiosidade, investigando-a sem assustar ou movendo-se silenciosamente em direção ao estímulo. Cães confortáveis ​​podem ou não solicitar afeto físico cutucando a mão de uma pessoa com o nariz, inclinando-se para a pessoa ou virando-se de forma que o traseiro fique em direção à pessoa.

Tabela 1 Indicadores do estado emocional dos cães
Partes do corpo Relaxado Estressado
Orelhas laterais ou levemente erguidas para frente puxadas para trás ou tensamente erguidas para frente
Olhos observando, pouca esclera visível, piscando ocasionalmente pupilas dilatadas, esclera facilmente visível, olhando fixamente, piscadas pesadas
Boca fechada ou levemente aberta para respirar ofegante, lambendo os lábios, comissuras dos lábios repuxados
Cauda medianamente erguida e abanando relaxadamente entre as pernas, ou esticada para cima, abanando rapidamente e com movimentos curtos
Distribuição de peso distribuído igualmente nos 4 membros peso nas patas dianteiras ou distanciando-se de algum estímulo 

 

As quantidades de estresse podem variar em um espectro. Pequenas quantidades de estresse são normais e boas para o cão. Uma sessão de jogo, por exemplo, irá induzir um tipo de estresse.3 No entanto, o comportamento de um cão excessivamente estressado seria diferente do de um cão satisfeito.4 Na maioria das vezes, cães ansiosos ofegam com frequência; parecem ter dificuldade para descansar e relaxar, especialmente em situações novas; e mesmo dentro de sua própria casa, cães ansiosos podem vocalizar, evitar estranhos, ter dificuldade para descansar ou exibir vários níveis de reatividade e agressão.4

Alguns cães podem apresentar um comportamento feliz e satisfeito na maioria das situações, mas  se estressam apenas em situações específicas. Outros cães demonstram algum nível de ansiedade, independentemente de seu ambiente.3 Dietas e suplementos podem ser usados ​​situacionalmente ou rotineiramente para ajudar a controlar a saúde geral do cérebro e o bem-estar emocional do cão.

O PAPEL DA NUTRIÇÃO NA SAÚDE DO CÉREBRO

A saúde do cérebro começa muito antes que a ansiedade possa se manifestar, mesmo antes do nascimento. No momento da concepção, a nutrição da mãe afetará a saúde do cérebro do feto.4 Após o nascimento, o desenvolvimento estrutural do cérebro, a cognição e as respostas normais ao meio ambiente dependem do acesso a níveis adequados de carboidratos, proteínas e gorduras.

Carboidratos

Os carboidratos são a principal fonte de energia para as células dos mamíferos, mas também afetam a função do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA). Este eixo é responsável pela resposta adequada e bem-sucedida de um animal aos estressores.3 Quando a resposta do eixo HPA é insuficiente o animal não consegue se adaptar adequadamente; quando a  resposta do eixo HPA é muito grande a resposta do animal é exagerada.

Proteínas

As proteínas são moléculas orgânicas usadas principalmente para o desenvolvimento estrutural. Os blocos de construção das proteínas são os aminoácidos. A estrutura genética do animal fornece a programação necessária para que os aminoácidos sejam ligados e formados em proteínas, que são então usadas para construir as estruturas do corpo e do cérebro.

Gorduras 

As gorduras são essenciais para a mielinização da medula espinhal. A mielinização é o processo de desenvolvimento pelo qual cada neurônio é revestido por uma estrutura gordurosa, chamada mielina.3 É essa estrutura que permite que o sistema nervoso se comunique de maneira rápida e eficaz com o resto do corpo. Em espécies altriciais (incubadas ou nascidas em estado subdesenvolvido e que requerem cuidado e alimentação dos pais), como cães e gatos, a mielinização ocorre após o nascimento, razão pela qual os animais altriciais não podem andar até atingir o estágio de transição de desenvolvimento (cerca de 2 a 3 semanas de idade).4

SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARA A SAÚDE CEREBRAL

Ácidos Graxos Essenciais

Além do papel da gordura durante o desenvolvimento, os ácidos graxos essenciais (EFAs) também ajudam a controlar a ansiedade. EFAs são gorduras que não podem ser produzidas pelo corpo; eles devem ser consumidos. Eles compreendem ácido linoléico (um ácido graxo ômega-6) e ácido α-linoléico (um ácido graxo ômega-3).5 Os EFAs têm uma variedade de funções dentro do corpo, incluindo humor, comportamento e inflamação. Por causa de seus efeitos sobre a saúde do cérebro e outros sistemas do corpo, a suplementação nutricional com EFAs é freqüentemente usada para ajudar cães com demência ou outros sinais de disfunção cognitiva.4

Compostos proteicos

l-triptofano

Determinados compostos proteicos foram encontrados para ajudar a reduzir, controlar e, até certo ponto, tratar a ansiedade em animais de companhia. O l-triptofano é um aminoácido essencial comumente associado ao consumo de carne de peru. O l-triptofano desempenha um papel na síntese da serotonina.4

Serotonina A

serotonina é um neurotransmissor associado à estabilização do humor, ciclos de sono e tomada de decisão.3 A serotonina é o neurotransmissor visado principalmente pelos psicotrópicos usados ​​para tratar distúrbios de comportamento.4

5-hidroxitriptofano

Outro produto, o 5-hidroxitriptofano (5-HTP), é o metabólito intermediário produzido durante a síntese corporal de serotonina a partir do l-triptofano.3 Tem sido usado para regular o sono, a depressão, a ansiedade, a agressão e até mesmo a dor.3 Os estudos em canídeos foram limitados e alguns indicaram o potencial de toxicidade do 5-HTP em caso de sobredosagem. Um estudo retrospectivo, conduzido pela Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade com os Animais Animal Poison Control Center, identificou 21 casos de ingestão acidental de 5-HTP por cães, dos quais 19 cães eram sintomáticos e 3 morreram.6

l-teanina

Uma alternativa mais segura ao 5-HTP é a l-teanina. Este aminoácido pode ser usado para ajudar a estabilizar o humor e tem muito menos risco de toxicidade ou reações adversas do que o 5-HTP.A 6 l-teanina é encontrada com mais frequência na planta usada para fazer chá verde (Camellia sinensis), que há muito é consumida por suas propriedades calmantes. Estudos mostraram que a l-teanina se liga aos receptores de glutamato, que é o transmissor excitatório primário do cérebro.7 Ao ocupar esses receptores, a l-teanina pode ajudar a prevenir a superexcitação e, portanto, a ansiedade.7

α-Casozepina

Outro peptídeo digno de nota é a α-casozepina, que é um peptídeo bioativo originado de uma caseína S1, uma proteína do leite de vaca. Vários estudos demonstraram que este produto diminui efetivamente a ansiedade em gatos,8 mas seus efeitos ansiolíticos em cães são comparáveis ​​aos da selegilina farmacêutica.9 α – casozepina é estruturalmente semelhante ao ácido γ-aminobutírico, um aminoácido que funciona como um neurotransmissor inibitório (calmante) no cérebro.

Probióticos

Além dos nutrientes padrão, a medicina veterinária começou a se concentrar nos efeitos dos probióticos na ansiedade. “Colite de estresse” é o termo usado para a diarreia aguda associada a situações estressantes em animais, como embarque ou viagem. Durante uma resposta aguda ao estresse, o corpo produz o fator de liberação de corticotropina, que medeia o eixo HPA.3 O fator de liberação de corticotropina se liga a receptores no trato gastrointestinal (GI), causando diarreia. O estresse crônico e a ativação do eixo HPA podem aumentar a permeabilidade do trato GI, tornando o animal mais suscetível a doenças e outros processos inflamatórios.10 O cérebro e o trato GI estão intimamente ligados. Armados com esse conhecimento, os pesquisadores exploraram maneiras de reduzir os efeitos do estresse apoiando o trato gastrointestinal. Um dos produtos de suporte mais comuns é o probiótico.

Um probiótico é um tipo de suplemento que contém cepas de bactérias consideradas benéficas para a saúde gastrointestinal.10 Por anos, Enterococcus faecium tem sido o ingrediente de probióticos para cães, mas uma nova espécie foi recentemente examinada: Bifidobacterium longum (BL999). Em um estudo realizado em 2008, o consumo dessas bactérias reduziu os sintomas gastrointestinais associados ao estresse em humanos;11 um estudo mais recente mostrou que os cães experimentam um alívio semelhante.12 Desde então, a comunidade veterinária seguiu essa pesquisa e começou a comercializar novos tipos de probióticos para cães e gatos, principalmente para reduzir os efeitos da ansiedade.

PRODUTOS DISPONÍVEIS

Até agora, este artigo explorou compostos individuais. Embora seja possível suplementar com cada ingrediente único, muitas empresas criaram produtos que no momento ainda não são acessíveis ao mercado Brasileiro, mas são fáceis de administrar que podem incluir não apenas um, mas vários ingredientes ativos (TABELA 2).

Tabela 2:  Exemplos de dietas e suplementos para controle de ansiedade em cães já disponíveis no mercado norte americano.
Produto Ingredientes ativos Condição comportamental avaliada em estudo
Anxitane
  • L-teanina
Ansiedade, fobia a barulho e chuva, medo de humanos desconhecidos
Composture
  • Tiamina
  • Composto calmante de colostro C3
  • L-teanina
Ansiedades diversas, fobia a barulho e chuva
Composture Pro
  • Tiamina
  • Composto calmante de colostro C3
  • Maior quantidade de L-teanina 
Nenhum estudo publicado
Denamarin advanced
  • SAME
  • Silibina
Nenhum estudo específico realizado
Hill’s prescription diet c/d multicare feline stress
  • ∝-casozepina
  • L-triptofano
  • DHA
  • EPA
  • Antioxidantes
Cistite idiopática felina 
Hill’s prescription diet b/d Brain aging care
  • DHA
  • EPA
  • Ácido lipólico
  • Vitaminas C e E
  • Carotenóides
  • Flavonoides
Disfunção cognitiva e sociabilidade em cães idosos
Purina Proplan Veterinary diet neurocare
  • MCTs
  • Arginina
  • DHA
  • EPA
  • Vitaminas B6, B9, C e E
Desorientação, ciclo circadiano, ansiedade, interação social, nível de atividade
Royal Canin Veterinary calm diet
  • ∝-casozepina
  • L-triptofano
  • DHA
  • EPA
Ansiedade
Solliquin
    • L-teanina
  • M officinalis
  • P amurense
  • ∝-lactalbumin
Medo, ansiedade por barulho ou chuva
Zylkene
  • ∝-casozepina
Fobia social, ansiedade
Fonte : Vet. clin of north america: Small animal practice 2018 48(3) 473-495

CONCLUSÃO

Patologias cognitivas, comportamentais e emocionais de animais de companhia estão atraindo atenção nas áreas de pesquisa e clínica. As terapias para a ansiedade podem variar de dietas adequadas a probióticos e suplementos. Cada animal é diferente; felizmente, várias opções estão disponíveis para ajudar cada paciente a obter a melhor qualidade de vida possível.

GLOSSÁRIO

α-lactalbumina Proteína com alto teor de triptofano, encontrada no leite de mamíferos

C3 Colostrum Calming Complex Uma mistura de proteínas bioativas produzidas a partir do colostro bovino certificado

Carotenóides Pigmentos de plantas e algas, com propriedades antioxidantes

Casozepina Um peptídeo bioativo derivado da proteína do leite

DHA ácido docosahexaenóico, um ácido graxo ômega-3 de cadeia longaÁcido

EPA eicosapentaenóico, um ácido graxo ômega-3 de cadeia longa

Flavonóides Produtos químicos vegetais com propriedades antioxidantes

l-carnitina Um derivado de aminoácido de ocorrência natural que transporta ácidos graxos

l-teanina um amino ácido encontrado no chá verde

M officinalis Magnolia officinalis, uma árvore de magnólia da qual são usados ​​extratos de casca.

MCTs Triglicerídeos de cadeia média (ácidos graxos) derivados de óleos botânicos

P amurense Phellodendron amurense, o sobreiro de Amur, a partir do qual são usados ​​extratos de frutas e casca

SAMe S-adenosilmetionina, a forma bioativa da metionina, um aminoácido essencial

Silibinacomposto Omais ativo nt de silimarina, que é derivado do cardo leiteiro; também conhecido como silibinina

Triptofano Um aminoácido essencial e precursor da serotonina

Referências:

  1. Slater D. Who Made That Dog Biscuit? The New York Times Magazine. nytimes.com/2014/08/03/magazine/who-made-that-dog-biscuit.html. Accessed January 2020.
  2. Aloff B. Canine Body Language: A Photographic Guide Interpreting the Native Language of the Domestic Dog. Wenatchee, WA: Dogwise Publishing; 2005.
  3. Overall K. Manual of Clinical Behavioral Medicine for Dogs and Cats. St. Louis, MO: Mosby; 2013.
  4. Landsberg G, Hunthausen W, Ackerman L. In: Landsberg G, Hunthausen W, Ackerman L, eds. Behavior problems of the Dog & Cat. 3rd ed. Philadelphia, PA: Saunders Ltd.; 2012:13-28,139-149.
  5. Di Pasquale MG. The essentials of essential fatty acids. J Diet Suppl 2009;6(2):143-161.
  6. Gwaltney-Brant SM, Albretsen JC, Khan SA. 5-Hydroxytryptophan toxicosis in dogs: 21 cases (1989-1999). JAVMA 2000;216(12):1937-1940.
  7. Pradeep JN, Lu K, Gray M, Oliver C. The neuropharmacology of l-theanine (N-ethyl-L-glutamine): a possible neuroprotective and cognitive enhancing agent. J Herb Pharmacother 2009;6(2):21–30.
  8. Beata C, Beaumont-Graff E, Coll V, et al. Effect of alpha-casozepine (Zylkene) on anxiety in cats. J Vet Behav 2007;2(2):40-46.
  9. Beata C, Beaumont-Graff E, Diaz C, et al. Effects of alpha-casozepine (Zylkene) versus selegiline hydrochloride (Selgian, Anipryl) on anxiety disorders in dogs. J Vet Behav 2007;2(5):175-183.
  10. Konturek PC, Brzozowski T, Konturek SJ. Stress and the gut: pathophysiology, clinical consequences, diagnostic approaches, and treatment options. J Physiol Pharmacol 2011;62(6):591-599.
  11. Messaoudi M, Violle N, Bisson JF, et al. Beneficial psychological effects of a probiotic formulation (Lactobacillus helveticus R0052 and Bifidobacterium longum R0175) in healthy human volunteers. Gut Microbes 2011;2(4):256-261.
  12. McGowan RTS. “Oiling the brain” or “cultivating the gut”: impact of diet on anxious behavior in dogs. Proceedings of the Nestlé Purina Companion Animal Nutrition Summit, March 31-April 2, 2016;91-97.

 

Fonte: https://todaysveterinarynurse.com/articles/diets-and-dietary-supplements-for-anxiety-in-dogs/?dlv-emuid=1e9f7fb0-a133-4fde-a9e4-f6bd6f0b087d&dlv-mlid=2615236

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd