Cães querem mesmo resgatar seus donos do perigo

1 de junho de 2020
Noticia- caes querem mesmo resgatar donos

Pesquisa americana conseguiu detectar sinais sólidos de empatia entre os cães e as pessoas próximas a eles nesse tipo de situação

Imagine que você é um cachorro. Seu proprietário está preso em uma caixa e está pedindo ajuda. Você está ciente do desespero dele? Se sim, você pode libertá-lo? E mais, você realmente quer?

Joshua Van Bourg e Clive Wynne, da Universidade Estadual do Arizona (ASU, nos Estados Unidos), queriam saber isso quando deram a cães a chance de resgatar seus donos. Seu estudo foi publicado na revista“PLoS ONE”.

Até recentemente, pouca pesquisa era feita sobre o interesse dos cães em resgatar seres humanos, mas é isso que os humanos esperam de seus companheiros caninos – uma lenda que remonta a Lassie e atualizada pelo mais recente Bolt (personagem de um desenho animado da Disney).

“É uma lenda generalizada”, disse Van Bourg, aluno de graduação do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual do Arizona. Simplesmente observar cães resgatando alguém não diz muito, disse ele. “O difícil desafio é descobrir por que eles fazem isso.”

Assim, Van Bourg e Wynne, professor de psicologia da ASU e diretor da Canine Science Collaboratory da instituição, organizaram um experimento avaliando a propensão de 60 cães de estimação a resgatar seus donos. Nenhum dos cães foi treinado em tal empreendimento.

No teste principal, cada proprietário estava confinado em uma grande caixa equipada com uma porta leve, que o cão podia afastar. Os proprietários fingiram angústia e diziam “socorro!” ou “me ajudem”.

Testes que faltavam

Antes, os pesquisadores treinaram os donos dos cães para que seus pedidos de ajuda parecessem autênticos. Além disso, os proprietários não tinham permissão para chamar o nome do cachorro, o que incentivaria o cão a agir por obediência e não por preocupação com o bem-estar de seu dono.

“Cerca de um terço dos cães resgatou o dono angustiado, o que não soa muito impressionante por si só, mas é realmente impressionante quando você olha mais de perto”, disse Van Bourg.

Isso ocorre porque duas coisas estão em jogo aqui. Uma é o desejo dos cães de ajudar seus donos, e a outra é o quão bem eles entenderam a natureza da ajuda necessária. Van Bourg e Wynne exploraram esse fator nos testes de controle – testes que estavam faltando em estudos anteriores.

Em um desses testes, quando o animal observava um pesquisador soltar comida na caixa, apenas 19 dos 60 cães abriram a caixa para pegar a comida. Mais cães resgataram seus donos do que comida recuperada.

“A chave aqui é que, sem controlar o entendimento de cada cão sobre como abrir a caixa, a proporção de cães que resgataram seus donos subestima muito a proporção de cães que queriam resgatar seus donos”, disse Van Bourg.

“O fato de dois terços dos cães nem abrirem a caixa de comida é uma indicação bastante forte de que o resgate requer mais do que apenas motivação – há algo mais envolvido, e esse é o componente da habilidade”, disse o estudante. “Se você olhar apenas para os 19 cães que nos mostraram que foram capazes de abrir a porta no teste de comida, 84% deles resgataram seus donos. Portanto, a maioria dos cães quer resgatá-los, mas precisam saber como.”

Aposta aumentada

Em outro teste de controle, Van Bourg e Wynne examinaram o que acontecia quando o proprietário se sentava dentro da caixa e lia uma revista calmamente e em voz alta. O que descobriram foi que quatro cães a menos, 16 em 60, abriram a caixa no teste de leitura do que no teste de angústia.

“Na maioria das vezes, não se trata necessariamente de resgatar”, disse Van Bourg. “Mas isso não tira nada de como os cães realmente são especiais. A maioria dos cães entraria em um prédio em chamas apenas porque eles não podem ficar separados de seus donos. Quão fofo é isso? E se eles sabem que você está em perigo, bem, isso apenas aumenta a aposta.”

O fato de os cães abrirem a caixa com mais frequência no teste de angústia do que no teste de leitura indicou que o resgate não poderia ser explicado apenas pelo lado de os cães quererem estar perto de seus donos.

Os pesquisadores também observaram o comportamento de cada cão durante os três cenários. Eles observaram comportamentos que podem indicar estresse, como choramingar, andar, latir e bocejar.

“Durante o teste de angústia, os cães ficaram muito mais estressados”, disse Van Bourg. “Quando o dono ficou angustiado, latiram e choramingaram mais. Na verdade, havia oito cães que choramingaram, e o fizeram durante o teste de angústia. Apenas outro cachorro choramingou, e foi por comida.”

Contágio emocional

Além disso, a segunda e terceira tentativas de abrir a caixa durante o teste de angústia não deixaram os cães menos estressados ​​do que na primeira tentativa. Isso contrastava com o teste de leitura, no qual os cães que já haviam sido expostos ao cenário foram menos estressados durante os testes repetidos.

“Eles se acostumaram”, disse Van Bourg. “Algo sobre a angústia do proprietário neutraliza essa aclimatação. Há algo no proprietário pedindo ajuda que faz com que os cães não fiquem mais calmos com a exposição repetida.”

Em essência, esses comportamentos individuais são mais evidências de “contágio emocional”, a transmissão do estresse do proprietário para o cachorro, explica Van Bourg, ou o que os humanos chamariam de empatia.

“O fascinante deste estudo”, disse Wynne, “é que mostra que os cães realmente se importam com as pessoas próximas. Mesmo sem treinamento, muitos cães tentam resgatar pessoas que parecem estar em perigo – e quando falham, ainda podemos ver como ficam chateados. Os resultados dos testes de controle indicam que os cães que não conseguem resgatar seu dono são incapazes de entender o que fazer – não é que eles não se importem com seus donos.”

Wynne prosseguiu: “Em seguida, queremos explorar se os cães que resgatam o fazem para se aproximar do seu dono ou se abrem a caixa mesmo que isso não lhes dê a oportunidade de se reunir com seus humanos.”

Fonte: https://www.revistaplaneta.com.br/caes-querem-mesmo-resgatar-seus-donos-do-perigo/

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami