A ciência descobre o que torna os cachorros tão especiais

4 de março de 2020

O que torna os cães tão especiais? A ciência tem uma ideia: o amor que sentem por seus donos.

De acordo com o psicólogo animal Clive Wynne, da Universidade Estadual do Arizona (EUA), pesquisas interdisciplinares sugerem que é a hiper sociabilidade ou a “gregariedade” (necessidade de companhia, de pertencer) dos cachorros que os diferencia.

Hormônio do amor

Wynne começou a estudar o comportamento dos cães nos anos 2000. Na época, como a maioria de seus colegas, ele era cético quanto a atribuir emoções complexas a esses animais. Isso seria o equivalente a antropomorfizá-los, ou seja, tratá-los como se fossem seres humanos.

Ao longo do tempo, no entanto, o cientista foi convencido por uma série de evidências de estudos sérios quanto a características que realmente diferenciam os cães de outros animais, incluindo sua vontade de estar perto de pessoas.

O Wynne cita, por exemplo, pesquisas que analisaram o papel da ocitocina, também chamada de hormônio do amor. Essa substância química é liberada pelo cérebro para criar e reforçar laços entre pessoas. Diversos estudos, no entanto, descobriram que ela desempenha um papel nas relações entre humanos e cães também.

Por exemplo, um estudo conduzido por Takefumi Kikusui da Universidade Azabu (Japão) mostrou que níveis de ocitocina disparam quando humanos e seus cães se olham, um efeito muito semelhante ao observado entre mães e seus bebês. Incrível, não?

Genética

Outro estudo conduzido pela geneticista Bridgett vonHoldt, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA), descobriu que cães possuem uma mutação em um gene responsável pela síndrome de Williams em seres humanos.

Essa condição é representada por uma série de características, incluindo desenvolvimento motor mais lento e problemas de coordenação. O que chama mais a atenção, no entanto, é a maneira como afeta a personalidade e o comportamento: crianças portadoras desta síndrome possuem grande sociabilidade, entusiasmo e sensibilidade.

“O essencial dos cães, assim como das pessoas com síndrome de Williams, é o desejo de estabelecer conexões íntimas, de ter relacionamentos pessoais calorosos – de amar e ser amado”, argumenta Wynne.

Relações muito, muito próximas

Diversos experimentos comportamentais já confirmaram essa “necessidade” de relacionamento dos cães com seus donos. Por exemplo, em um deles, feito por Wynne e por outras equipe, um pote com comida é colocado a mesma distância de um cão que seu dono. Quando o animal é liberado, em quase todos os casos corre primeiro em direção à pessoa, e não à comida.

Para tentar entender esse impulso, os pesquisadores usaram imagens de ressonância magnética e descobriram que os cérebros dos cães respondem a elogios e exaltações de seu dono tanto quanto – ou mais – respondem à comida.

Ame seu cão

Para Wynne, esses achados têm implicações importantes na forma como educamos e lidamos com nossos cães.

Muitos treinadores famosos utilizam métodos às vezes dolorosos para ensinar comportamentos a cachorros, enquanto o cientista rejeita essas formas brutais de adestramento, como colares de choque.

Segundo ele, os cães não querem ser dominados, e sim amados. “Tudo o que seu cão quer é que você mostre o caminho a ele, por meio da liderança compassiva e reforço positivo. Isso também significa arranjar tempo para atender às suas necessidades sociais, em vez de deixá-lo isolado a maior parte do dia”, diz Wynne.

Em outras palavras: cães apenas precisam de nossa companhia, precisam estar com pessoas.

Domesticação: como o cão se tornou melhor amigo do homem

Para ele, o futuro da ciência, no que concerne os cães, são estudos genéticos. Estes podem nos ajudar a entender o misterioso processo de domesticação desses animais, que começou 14.000 anos atrás.

Wynne também crê na teoria que dita que cães antigos se reuniam em torno de áreas de despejo humano (como “lixões” rudimentares), lentamente se juntando às pessoas até estabelecerem a parceria duradoura que conhecemos por meio de expedições conjuntas de caça.

Essa ideia é menos romântica que a noção popular de caçadores que capturaram filhotes de lobo para treiná-los – algo que Wynne considera altamente improvável, uma vez que a ferocidade natural dos lobos os levaria a se voltar contra os humanos mais tarde.

O cientista pensa que novos avanços em sequenciamento de DNA antigo irão permitir que determinemos quando certas mutações importantes ocorreram nos cães, como no gene que controla a síndrome de Williams, a fim de identificarmos quando esse processo de domesticação se tornou favorável – algo que Wynne acredita ter acontecido entre 8.000 e 10.000 anos atrás, no fim da Idade do Gelo, quando humanos começaram a caçar regularmente na companhia de cães. [Phys, Fiocruz]

Jose Costa,  28 de Fevereiro, 2020

Fonte:http://93noticias.com.br/noticia/47483/a-ciencia-descobre-o-que-torna-os-cachorros-tao-especiais

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami