Informações

Princípio Ativo: Piroxicam.
Classe terapêutica: Anti-inflamatório Não Esteroidal (AINE).

Dose

Cães: Tratamento de doenças neoplásicas: 0,3 mg / kg VO com alimentos a cada 24 horas (preferível, se tolerado) ou uma vez a cada 48 horas. A adição de misoprostol pode ser considerada em cães que não toleram os efeitos gastrointestinais dos AINEs. Tratamento de rinite linfoplasmocítica idiopática: A administração a longo prazo de antibióticos com efeitos imunomoduladores (por exemplo, doxiciclina 3 - 5 mg / kg VO a cada 12 horas; ou azitromicina 5 mg / kg VO a cada 24 horas) combinada com AINEs pode ser útil em alguns cães. Recomenda-se piroxicam 0,3 mg / kg VO a cada 24 horas. Se uma melhora clínica for observada dentro de 2 semanas, a terapia diária com piroxicam é continuada, mas a frequência da administração de doxiciclina é reduzida a cada 24 horas ou a azitromicina reduzida a duas vezes por semana. A terapia provavelmente será necessária por um período mínimo de 6 meses, se não indefinidamente.
Gatos: Tratamento para carcinomas de células de transição: 0,3 mg / kg PO a cada 24-72 horas. A maioria usará a cada 48 horas de intervalo de dosagem. Anti-inflamatório / analgésico: 1 mg por gato VO a cada 24 horas, por um período máximo de 7 dias. Rinossinusite crônica idiopática: alguns sinais clínicos de gatos podem ser reduzidos com piroxicam em 0,3 mg / kg VO a cada 24 horas ou a cada 48 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Piroxicam

Classificaçāo

Anti-inflamatório Não Esteroidal (AINE)

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Nunca dê Piroxicam ou outro medicamento com ação anti-inflamatória ao animal, sem antes consultar um médico veterinário. Não altere a dose recomendada pelo médico veterinário.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Piroxicam 10 mg, comprimido
  • Piroxicam 20 mg, comprimido
  • Piroxicam 20 mg/mL, ampola
  • Cicladol 20 mg, comprimido
  • Feldene 10 mg, comprimido
  • Feldene 20 mg, comprimido
  • Feldene 20 mg/mL, ampola
  • Inflamene 10 mg, comprimido
  • Inflamene 20 mg, comprimido
  • Inflamene 20 mg/mL, ampola
  • Feldene gel 0,5% 10 mg, comprimido
  • Feldene gel 0,5% 20 mg, comprimido
  • Feldene gel 0,5% 20 mg/mL, ampola

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Em cães e gatos, o uso primário do piroxicam é como tratamento adjuvante do carcinoma de células de transição da bexiga. Também pode ser benéfico em carcinomas de células escamosas, adenocarcinoma mamário, carcinoma inflamatório mamário e tumor venéreo transmissível (TVT). O piroxicam pode ser benéfico na redução da dor e inflamação associadas à doença articular degenerativa, mas existem alternativas mais seguras disponíveis.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

O piroxicam é contraindicado em pacientes hipersensíveis a ele ou que são severamente alérgicos à aspirina ou a outros AINEs. Deve ser usado apenas quando seus potenciais benefícios superam os riscos em pacientes com histórico de úlcera gastrointestinal ou distúrbios hemorrágicos ativos. Como o edema periférico foi observado em alguns pacientes humanos, ele deve ser usado com cautela em pacientes com função cardíaca gravemente comprometida. O piroxicam não foi avaliado para uso em gatos. Deve ser usado com extrema cautela, se usado, nesta espécie.

EFEITOS ADVERSOS

Mesmo nas doses terapêuticas, efeitos adversos têm sido relatados em cães. Esses efeitos podem incluir: ulcerações gastrointestinais, gastrites, gastroenterites hemorrágicas, hepatotoxicidade, nefrotoxicidade e peritonite. A necrose papilar renal foi observada em cães pós-morte, mas, aparentemente, efeitos clínicos não foram observados com essas ocorrências. A idade avançada aumenta a probabilidade de efeitos adversos em cães. Nos gatos, podem ser observados efeitos gastrointestinais (vômitos, anorexia, diarreia), particularmente no início da terapia. Existem relatos anedóticos de hematócritos decrescentes de piroxicam em gatos quando administrados diariamente por 7 a 14 dias. A toxicidade renal é possível se usada por períodos prolongados.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes. Os AINEs geralmente são excretados através do leite, mesmo que em pequenas doses. Usar com cautela em lactantes.

SUPERDOSAGEM

Como com qualquer AINE, as overdoses podem levar a efeitos gastrointestinais e renais. Em animais monogástricos, a toxicidade aguda também pode resultar em efeitos neurológicos. A descontaminação com eméticos e/ou carvão ativado é apropriada. Para doses em que os efeitos gastrointestinais são esperados, o uso de protetores gastrointestinais é indicado. Se também forem esperados efeitos renais, deve-se considerar a diurese induzida. Pacientes que ingerem sobredosagens significativas devem ser monitorados cuidadosamente e receber tratamento de suporte.

Interações medicamentosas

AMINOGLICOSÍDEOS

Aumento do risco de nefrotoxicidade.

ANTICOAGULANTES

É possível aumentar o risco de sangramento.

ASPIRINA

Quando a aspirina é usada simultaneamente com o piroxicam, os níveis plasmáticos de piroxicam podem diminuir e há uma probabilidade maior de efeitos adversos gastrointestinais (perda de sangue). A administração concomitante de aspirina com piroxicam não pode ser recomendada.

BISFOSFONATOS

Podem aumentar o risco de ulceração gastrointestinal.

CISPLATINA

O piroxicam pode potencializar a toxicidade renal da cisplatina quando usado em combinação.

CORTICOSTEROIDES

A administração concomitante com AINEs pode aumentar significativamente os riscos de efeitos adversos gastrointestinais.

CICLOSPORINA

O uso simultâneo pode resultar em aumento do risco de nefrotoxicidade da ciclosporina.

DIGOXINA

O uso simultâneo pode resultar em aumento da concentração sérica de digoxina e prolongar meia-vida da digoxina.

DIURÉTICOS

O uso simultâneo pode resultar em eficácia diurética reduzida e possível nefrotoxicidade.

FÁRMACOS ALTAMENTE LIGADOS À PROTEÍNA

Como o piroxicam é altamente ligado às proteínas plasmáticas (99%), ele pode potencialmente deslocar outros fármacos altamente ligadas; podem ocorrer níveis séricos e duração das ações aumentados. Embora essas interações sejam geralmente de pouca preocupação clínica, use junto com cautela.

METOTREXATO

Toxicidade grave ocorreu quando os AINEs foram usados ​​concomitantemente com o metotrexato; use junto com extrema cautela.

INIBIDOR DE RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA E NORADRENALINA e INIBIDOR SELETIVO DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA

O uso simultâneo pode resultar em um risco aumentado de sangramento.

TACROLIMO

O uso simultâneo pode resultar em insuficiência renal aguda.

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS

O uso simultâneo pode resultar em aumento do risco de sangramento.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Como outros AINEs, o piroxicam possui ação anti-inflamatória, analgésica e antipirética. Pensa-se que a ação anti-inflamatória do fármaco seja principalmente devido à sua inibição da síntese de prostaglandinas, mas mecanismos adicionais podem ser consideráveis. Como com outros AINEs, o piroxicam pode afetar a função renal, causar danos às mucosas gastrointestinais e inibir a agregação plaquetária. Acredita-se que os efeitos antitumorais do piroxicam sejam devidos à sua ação no sistema imunológico, ao seu efeito antiangiogênico e não aos efeitos diretos nas células tumorais. Foi demonstrado que o piroxicam aumenta a ação da vimblastina em cães com carcinoma de células transicionais.

FARMACOCINÉTICA

Após administração oral, o piroxicam é bem absorvido pelo intestino. Embora a presença de alimentos diminua a taxa de absorção, não diminui a quantidade absorvida. Não se acredita que os antiácidos afetem significativamente a absorção. Nos cães, o piroxicam tem uma biodisponibilidade oral elevada (100%), com os níveis plasmáticos máximos atingidos aproximadamente 3 horas após a administração. O volume de distribuição é de aproximadamente 0,3 L/kg; a depuração total do corpo é de 0,066 L/h a meia-vida de eliminação é de aproximadamente 40 horas. Após doses orais únicas em gatos, o piroxicam é bem absorvido com uma biodisponibilidade oral de aproximadamente 80%. Os níveis de pico ocorrem em aproximadamente 3 horas. A meia-vida de eliminação após administração intravenosa ou oral é de aproximadamente 12 a 13 horas.

MONITORAMENTO

Monitore os efeitos adversos (particularmente o sangramento gastrointestinais). Enzimas hepáticas e testes de função renal devem ser monitorados ocasionalmente com uso crônico.

Referências Bibliográficas

GRAPEGIA, Filipe Zanella; LIMA, Bruno Roque. Quimioterapia metronômica para o tratamento de tumor de células carcinomatosas de transição na região de trígono vesical em gato. PUBVET, v. 11, p. In Press, 2017. KNAPP, Deborah W. et al. Piroxicam therapy in 34 dogs with transitional cell carcinoma of the urinary bladder. Journal of Veterinary Internal Medicine, v. 8, n. 4, p. 273-278, 1994. KRÜGER, Renan Marcel et al. Reconstrução de ponte nasal com tela de titânio após exérese tumoral em um cão. Ciência Rural, v. 41, n. 3, 2011. VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Monografias Farmacêuticas. In: VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Formulário Veterinário Farmacêutico. 1ª edição, São Paulo: Pharmabooks, 2004. SCHMIDT, Bradley R. et al. Evaluation of piroxicam for the treatment of oral squamous cell carcinoma in dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 218, n. 11, p. 1783-1786, 2001. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/mbT3YecrKA>. Acesso em 29 de maio de 2020. <https://consultaremedios.com.br/piroxicam/pa>. Acesso em 29 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd