O efeito do choque nos níveis de oxigênio nos tecidos em cães

5 de novembro de 2020

O choque é uma condição potencialmente fatal que pode ocorrer secundariamente a várias condições clínicas e resulta na redução do fornecimento de oxigênio ao tecido. 

A espectroscopia no infravermelho próximo é uma ferramenta diagnóstica não invasiva que tem sido investigada como um meio de medir continuamente a saturação de oxigênio do tecido (StO2), que pode ser um marcador da oferta de oxigênio ao tecido e útil no diagnóstico de choque. 

Não se sabe se as medições de StO2 refletem o choque em cães apresentados de forma emergencial ou se as alterações na StO2 estão associadas à gravidade da doença ou mortalidade.

Este estudo clínico prospectivo realizado ao longo de 4 anos em um hospital veterinário de ensino avaliou 25 cães com choque de ocorrência natural, excluindo choque cardiogênico.

Os dados coletados em cada cão, incluindo saturação periférica de oxigênio, pressão sanguínea, níveis de lactato e análise de gases no sangue, foram usados ​​para calcular o escore de Avaliação Fisiológica e Laboratorial do Paciente Agudo (APPLE) para estratificar a gravidade da doença.

Pontuações mais altas de APPLE estão associadas a maior gravidade da doença. As medições de StO2 foram obtidas antes de qualquer tratamento ser administrado. Dos cães inscritos, a StO2 média foi de 65,12% (± 17,7%) e variou de 23% a 92%.

A hiperlactatemia foi comum nesta população de pacientes. Um baixo StO2 foi moderadamente correlacionado com o aumento dos escores de APPLE, e medições únicas de StO2 não foram preditivas de mortalidade.

O escore APPLE, calculado com base no exame físico, laboratorial e achados de testes diagnósticos, foi o único fator neste estudo específico que previu se um paciente sobreviveria.

Os cães que se apresentam  em choque em emergencia terão valores baixos de StO2, o que é consistente com o fornecimento insuficiente de oxigênio ao tecido durante o choque. StO2 baixo está associado a doenças mais graves, mas uma única medição de StO2 pode não ser útil para prever se um paciente sobreviverá.

O cálculo do escore APPLE para identificar os pacientes mais doentes pode ser útil ao fornecer informações de prognóstico aos proprietários. Embora a medição de StO2 seja rápida e não invasiva, a utilidade clínica de StO2 é limitada, pois o equipamento não está prontamente disponível na maioria das clínicas e são necessárias mais informações para determinar como os níveis de StO2 se relacionam com os resultados do paciente ao longo do tempo. 

O que considerar nos seus pacientes: 

1- StO2 pode ser usado como uma medida adjuvante da gravidade da doença em pacientes com choque. 

2 - Os escores de gravidade da doença (por exemplo, o escore APPLE) podem ser usados ​​para fornecer informações de prognóstico para proprietários de cães gravemente enfermos em choque. 

3- A estabilização de cães em choque deve se concentrar na otimização da perfusão tecidual e do fornecimento de oxigênio para garantir o melhor resultado para o paciente.

Literatura recomendada:

Berg AN, Conzemius MG, Evans RB, Tart KM. Evaluation of tissue oxygen saturation in naturally occurring canine shock patients. J Vet Emerg Crit Care (San Antonio). 2019; 29(2):149-153.

Engbers S, Boysen SR, Engbers J, Chalhoub S. A comparison of tissue oxygen saturation measurements by 2 different near-infrared spectroscopy monitors in 21 healthy dogs. J Vet Emerg Crit Care (San Antonio). 2014;24(5):536-544. 

Hayes G, Mathews K, Doig G, et al. The acute patient physiologic and laboratory evaluation (APPLE) score: a severity of illness stratification system for hospitalized dogs. J Vet Intern Med. 2010;24(5):1034-1047. Salcedo M, Tart K, Hall K. 

A systematic review of human and veterinary applications of noninvasive tissue oxygen monitoring. J Vet Emerg Crit Care (San Antonio). 2016;26(3):323-332.

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd