Erliquiose canina: revisão de literatura

30 de novembro de 2020

Autores

SILVA, M. V. M.; FERNANDES, R. A.; NOGUEIRA, J. L.; AMBRÓSIO, C. E.

Resumo

A erliquiose é uma doença emergente. Dentre os agentes etiológicos da erliquiose canina, a Ehrlichia canis (E.
canis) é a mais patogênica. Relatos de suspeitas clínicas têm sido cada vez mais frequentes. A infecção ocorre por meio do
vetor Rhipicephalus sanguineus. Manifesta-se em três fases: aguda, subclínica e crônica. O diagnóstico clínico é difícil, devido à inespecificidade dos sinais clínicos, dificultando a intervenção terapêutica específica. A maioria dos animais sobrevive à fase aguda e ingressam na subclínica. Para o tratamento utiliza-se a doxiciclina como o antibiótico de escolha. Neste trabalho, discutem-se os aspectos relevantes da doença como causas, sinais clínicos, diagnósticos, tratamentos, profilaxia e ainda, a importância para a saúde pública

Palavras-chave

erliquiose, cão, carrapatos, hematologia

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd