Detecção molecular de Babesia vogeli, Ehrlichia canis e Anaplasma platys em uma população hospitalar de cães diagnosticados clinicamente com hemoparasitoses

1 de agosto de 2020

Título:

Molecular detection of Babesia vogeli, Ehrlichia canis and Anaplasma platys in a hospital population of dogs clinically diagnosed with hemoparasitosis.

Autores:

Aline Ticiani Pereira Paschoal, Ana Clécia dos Santos Silva, Juliana Correa Bernardes, Eloiza Teles Caldart, Fernanda Pinto-Ferreira, João Fábio Soares, Aldair Calistro Matos, Nathália Rye Moraes, João Luis Garcia, Odilon Vidotto, Regina Mitsuka-Breganó

Resumo:

Há um aumento na ocorrência das doenças transmitidas carrapato em cães em áreas urbanas e rurais no
Brasil, algumas, inclusive, são de importância para a saúde pública. As hemoparasitoses transmitidas por
Rhipicephalus sanguineus estão entre as principais causas de mortalidade em cães. O presente trabalho
teve como objetivo investigar a ocorrência por meio de detecção molecular de Ehrlichia canis, Babesia
vogeli e Anaplasma platys em cães com sinais clínicos e anormalidades hematológicas sugestivas de
doenças transmitidas por carrapatos. Esses cães foram atendidos em um hospital veterinário de uma
universidade pública entre janeiro de 2014 e dezembro de 2016, onde foram avaliados por anamnese,
exame clínico e exames complementares. A técnica de reação em cadeia da polimerase foi utilizada
para detectar a presença de hemoparasitas. Dos 461 cães testados para B. vogeli, 10,6% (49/461) foram
positivos, a variável associada foi a idade. Em relação aos 730 animais testados para E. canis, 15,1%
(110/730) foram positivos, e a infecção foi associada ao hematócrito e ao número de plaquetas. Das
86 amostras testadas para A. platys, 15,1% (13/86) foram positivas e nenhuma variável apresentou
significância estatística. Dentre os animais positivos para B. vogeli, nenhum foi positivo no qPCR para
Rangelia vitalii. Conclui-se que a ocorrência de hemoparasitose em cães da região de Londrina é comum.
Assim, enfatiza-se que as técnicas moleculares devem ser utilizadas como ferramentas auxiliares para
o diagnóstico diferencial dos diferentes agentes etiológicos causadores da hemoparasitose. Além disso,
são essenciais para uma melhor investigação e assertividade preventiva, pois permitem detectar o DNA
do parasita.

Palavras-chave:

Hemoparasita. PCR. Volume globular.

Abstract:

There is an increase in tick-borne diseases in dogs in urban and rural areas in Brazil and some of
these are of public health importance. Rhipicephalus sanguineus-transmitted hemoparasitoses are the
main causes of mortality in dogs. The present study investigated the molecular occurrence of Ehrlichia
canis, Babesia vogeli and Anaplasma platys in dogs with clinical sings and hematological abnormalities
suggestive of tick-borne diseases. These dogs were seen at a Veterinary Hospital of a Public University
between January 2014 and December 2016, and were evaluated through anamnesis, clinical examination
and complementary exams. The polymerase chain reaction technique was used to detect the presence of
hemoparasites DNA. From the 461 dogs that were tested for B. vogeli, 10.6% (49/461) were positive,
the associated variable was age. Regarding the 730 animals screened for E. canis, 15.1% (110/730)
were positive, and the infection was associated with hematocrit and number of platelets. Relative to the
86 samples evaluated for A. platys, 15.1% (13/86) were positive, and no variable presented statistical
significance. From the animals positive for B. vogeli, no of these showed positivity by qPCR for
Rangelia vitalii. It is concluded that the occurrence of hemoparasitosis in dogs from the Londrina region is common. Therefore, it is emphasized that molecular techniques should be used as an auxiliary tool
for the differential diagnosis of the different etiological agents causing hemoparasitosis. Additionally,
these molecular tools are essential for better investigation and preventive assertiveness because it allows
to detect parasite DNA.

Key words:

Globular volume. Hemoparasite. PCR.

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd