Alérgenos do gato nas alergias respiratórias: situação atual e novas perspectivas

15 de maio de 2020

Cat allergens in respiratory allergy: current status and new perspectives

Autores

Gustavo Falbo Wandalsen, Flavio Sano, Dirceu Solé

Abstract

Cats are a main source of indoor allergens. In Brazil, human contact with cats at home is frequent and has been increasing. In our country, data on the prevalence of cat sensitization are scarce. Among the eight cat allergens already identified, Fel d 1 is the most common one, accounting for 60% to 90% of all IgE reactivity to the animal. Fel d 1 is a uteroglobulin synthesized by the salivary and sebaceous glands of cats, which is then spread by grooming and adheres to the animal’s fur. The diagnosis of cat allergy is based on history of symptoms after exposure and presence of specific IgE. Measures to reduce contact with cat allergens are difficult to implement, especially if they involve removing the animal, and do not ensure clinical benefit. Pharmacological treatment relies on topical corticosteroids and symptomatic drugs. Subcutaneous and sublingual immunotherapy has been shown to improve nasal, ocular and bronchial symptoms. Recently, cat food supplemented with neutralizing IgY anti-Fel d 1 antibodies extracted from chicken egg yolk has been developed. A study of the supplemented diet observed a significant reduction in the levels of active Fel d 1 in cat fur after three weeks and an average reduction of 47% at the end of 10 weeks. Additional studies are still needed to document the action of this diet on the respiratory symptoms of allergic patients, but it undoubtedly provides a new perspective for the management of cat allergy.

Keywords

Allergy and immunology, cats, allergic rhinitis.

Resumo

O gato é uma das principais fontes de alérgenos intradomiciliares. Evidências mostram que o contato com o gato em residências no Brasil é frequente, e está aumentando. No nosso meio, dados sobre a prevalência de sensibilização ao gato são escassos. Entre os oito alérgenos já identificados do gato, Fel d 1 é o principal, e responde por 60 a 90% de toda a reatividade IgE mediada ao animal. Fel d 1 é uma uteroglobulina sintetizada pelas glândulas salivares e sebáceas dos gatos, espalhada e aderida ao pelo do animal pelo hábito de se lamber. O diagnóstico de alergia ao gato é feito pela história de sintomas após exposição e pela presença de IgE específica. Medidas para redução do contato com os alér-genos dos gatos são difíceis de se implementar, principalmente se envolverem a remoção do animal, e não garantem benefício clínico. O tratamento farmacológico é feito com corticosteroides tópicos e sintomáticos. Imunoterapia subcutânea e sublingual têm demonstrado melhora dos sintomas nasais, oculares e brônquicos. Recentemente, foi desenvolvida uma ração para gatos suplemen-tada com anticorpos neutralizantes IgY anti-Fel d 1 extraídos da gema do ovo de galinhas. Estudo com a ração suplementada ob-servou redução significante nos níveis de Fel d 1 ativo no pelo dos gatos a partir da terceira semana, e redução média de 47% ao final de 10 semanas. Estudos complementares ainda são necessários para documentar a ação dessa ração nos sintomas respiratórios de pacientes alérgicos, mas inquestionavelmente abre-se uma nova perspectiva para o manejo da alergia a gato.

Palavras-chave

Alergia e imunologia, gatos, rinite alérgica.

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd