A genética da surdez em animais domésticos

11 de novembro de 2020

Autor: 

George M. Strain

Resumo:

Embora a surdez possa ser adquirida ao longo da vida de um animal por uma variedade de causas, a surdez hereditária, especialmente a surdez hereditária congênita, é um problema significativo em várias espécies. Existem análises extensivas sobre a genética da surdez em humanos e camundongos, mas não para a surdez em animais domésticos. A surdez hereditária em muitas espécies e raças está associada a  pigmentação branca, onde a patologia coclear é cócleo-sacular. Em outros casos, não há associação com pigmentação e a patologia coclear é neuroepitelial. A surdez hereditária de início tardio foi recentemente identificada em cães e pode estar presente, mas ainda não foi reconhecida em outras espécies. Poucos genes responsáveis ​​pela surdez foram identificados em animais, mas houve progresso na identificação de genes responsáveis ​​pelos fenótipos de pigmentação associados. Entre as espécies, os genes identificados com surdez ou padrões de pigmentação branca incluem MITF, PMEL, KIT, EDNRB, CDH23, TYR e TRPM1 em cão, gato, cavalo, vaca, porco, ovelha, furão, vison, camelídeo e coelho. Vários genes causadores estão presentes em algumas espécies. Mas ainda falta muito trabalho para identificar os genes específicos de surdez cromossômica,  para que o teste de DNA possa ser usado para identificar portadores dos genes mutados e, assim, reduzir a prevalência de surdez.

Palavras-chave: malhado, merle, pigmentação, cóclea, KIT, MITF, PMEL, EDNRB

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd